Homem inocente fica preso mais de 2 anos no lugar do irmão no RN


Eldis Trajano da Silva estava preso desde 2017 no lugar 
do irmão e foi libertado nesta semana — Foto: Crédito: Tribuna do Norte/Adriano Abreu

13 de DEZEMBRO 2019 - O vaqueiro Eldis Trajano da Silva ficou preso por engano, no lugar do irmão, durante dois anos e oito meses no sistema carcerário do Rio Grande do Norte. Esse irmão, de nome semelhante, Eudes Trajano da Silva, é o verdadeiro culpado pelos crimes de roubo, furto e falsidade ideológica pelo qual ele acabou respondendo.

Eldis, o inocente, foi solto na última segunda-feira (9). De acordo com a advogada Marilene Batista de Oliveira, ele estava encarcerado desde abril de 2017, quando foi levado pela polícia do seu trabalho, no município de Pedro Velho. Eldis da Silva tem 36 anos e nasceu e se criou em Piriti, na zona rural de Canguaretama.

De acordo com a advogada, Eldis estava na propriedade do patrão, onde trabalhava de vaqueiro, quando uma guarnição policial o prendeu. Os policiais estavam atrás de Eudes, com “u” no início e “e” no final, irmão dele. Mesmo assim, o levaram. Os nomes parecidos teriam induzido ao erro. “Eles não pediram sequer uma identificação antes de prendê-lo”, reforça a advogada.

Eudes, o irmão procurado da Justiça, cumpria pena em regime semiaberto. Nesse tipo de regime, o presidiário passa o dia fora da cadeia e retorna para dormir. Ele não havia voltado para a unidade em que estava lotado, portanto, foi considerado foragido e a polícia foi até o endereço indicado para prendê-lo.

Depois de um tempo preso no lugar desse irmão no Centro de Detenção Provisória do Pirangi, em Natal, Eldis foi transferido para a Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP). Lá, uma enfermeira o procurou para lhe entregar a medicação de controle do HIV.

Foi aí que ele disse à mulher que não era portador do vírus. Contudo, constava em sua ficha que havia sido infectado. Ocorre que Eudes, o verdadeiro suspeito e foragido, tem Aids. Após essa informação, foi feito um exame no irmão preso, que constatou que ele falava a verdade e não tinha o vírus.

Ainda assim Eldis da Silva permaneceu encarcerado. No entanto, o caso chamou a atenção do diretor da unidade, que comunicou o fato à Defensoria Pública do Estado. Eldis Trajano da Silva não sabe ler, sempre morou na zona rural de Canguaretama e não tinha advogado. Ele sequer sabia informar sua data de nascimento, ou se seu nome era escrito com a letra “l” ou “u”. Os familiares acreditavam que Eldis estava morto, pois não tiveram nenhuma notícia durante o cárcere.

Em 2018, a advogada Marilene de Oliveira tomou conhecimento do caso. Ela é ligada à Pastoral Carcerária e foi até a penitenciária para saber se havia detentos com a possibilidade de progressão de regime que ainda não tinham obtido o direito por falta de acompanhamento jurídico. Durante esse trabalho, se deparou com a história de Eldis e passou a tentar ajudá-lo.

A advogada requereu a identificação de Eldis Trajano da Silva através do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep). Marilene de Oliveira conta que encontrou dificuldades para concretizar o pleito. Em julho do ano passado foi feita essa identificação. Segundo a advogada, a defesa não foi informada e só descobriu em outubro.

Falsidade ideológica

Depois disso, Marilene de Oliveira encontrou outro problema para conseguir a liberdade de Eldis. Ele respondia por furto e falsidade ideológica, desta vez em um processo em que constava seu nome real. Ocorre que os crimes foram praticados meses depois que Eldis da Silva estava preso. Não havia como ser ele o responsável.

Foi descoberto então que o irmão tinha utilizado as documentações dele para praticar mais crimes. Eudes, com “u”, foi pego usando o documento de um homem chamado Francisco Canindé ao ser detido em um furto. Quando a polícia constatou que era um RH falso, ele apresentou o documento de Eldis, o seu irmão, afirmando ser o verdadeiro e, assim, atribuindo a ele dois crimes: furto e falsidade ideológica.

O irmão criminoso foi liberado para responder o processo em liberdade durante uma audiência, por ser réu primário. Só que, na verdade, o réu primário era Eldis, que cumpria pena em nome de Eudes. Tempos depois o irmão foi preso novamente, por descumprir medidas que lhe foram impostas após a liberação. Neste momento, Eudes passou a cumprir a pena como se fosse Eldis e a implicá-lo com a Justiça duplamente.

A advogada Marilene de Oliveira conta que, após conseguir a identificação, foi necessário provar que os crimes tinham sido, todos, desde o primeiro, cometidos pela mesma pessoa. Pessoa esta que era, na verdade, o irmão de Eldis da Silva.

No ano passado, Eudes chegou a comparecer em uma audiência e ser reconhecido pelas vítimas. Ele mesmo afirmou que havia mentido e pediu perdão ao irmão, que estava sendo injustiçado. Contudo a Justiça ainda considerou isso insuficiente para soltar Eldis.

Somente na semana passada, na sexta-feira (6), foi concedido ao vaqueiro Eldis Trajano da Silva um alvará de soltura. Ainda assim, de acordo com a defesa, o alvará foi emitido com o nome errado, o do irmão. Ele precisou passar o sábado o e domingo na cadeira para que o erro fosse consertado nesta segunda. Os advogados agora vão acionar a Justiça para requerer uma indenização.

"Caso complicado"

O juiz Henrique Baltazar, da Vara de Execuções penais, alega que o caso Eldis é "muito complicado". "Foi um conjunto de fatores", afirma. Para Baltazar, o fato de o próprio Eldis Trajano da Silva não portar documentos e não saber informar a maneira como se escreve o próprio nome pode ter confundido os policiais na hora do cumprimento do mandato.

Além disso, o magistrado alega que a demora para a resolução da situação do inocente se deu porque, no início, quem soube dos fatos "talvez não tenha diligenciado". "Há uma informação nos autos de que o diretor da PEP desconfiou da situação. Essa informação chegou depois lá no fórum e não sei o motivo pelo qual ninguém resolveu fazer alguma coisa".

Henrique Baltazar diz ainda que as dificuldades estruturais enfrentadas à época pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia do Rio Grande do Norte (Itep) tornaram moroso o processo de reconhecimento. "Quando finalmente isso chegou para mim, eu busquei o Itep para fazer uma investigação quanto as impressões digitais, para saber realmente quem era a pessoa. E o Itep não tinha condições de fazer, foi numa época que estava sem perito suficiente e o Itep demorou muito a esclarecer essa situação", relata.

"Havia dúvidas se ele estava falando a verdade, ou não. Era um caso complicado, mesmo, de resolver, porque o próprio preso não sabia seus dados. Quando a advogada chegou contando essa história, resolvi ir atrás de diligenciar, para tentar descobrir e cheguei a essa interpretação".

CANGUARETAMA  NATAL  PARNAMIRIM  PEDRO VELHO

Por G1 RN

Bebê de 2 meses é diagnosticado com traumatismo após ser liberado por médicos em Mossoró


Foto: Divulgação/Família

10 de DEZEMBRO 2019 - O pequeno Artur Vinícius, de 2 meses, foi diagnosticado por profissionais do Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM), com traumatismo cranioencefálico (TCE), após sofrer uma queda de um bebê conforto, em Mossoró. Antes disso, a criança foi avaliada e liberada por médicos do Hospital Rodolfo Fernandes, do grupo Hapvida.

A mãe de Artur relatou ao MOSSORÓ NOTÍCIAS, que a negligência dos médicos do hospital privado quase custou a vida do seu filho. Artur segue internado desde sábado (7), no HRTM.

Segundo Milene Limeira, após a queda, Artur foi rapidamente levado ao Hospital Rodolfo Fernandes, onde foi atendido por dois médicos. De acordo com a mãe, ambos informaram que o acidente havia sido apenas um susto, e a criança estava liberada para retornar para casa.

“O primeiro médico disse que meu filho estava normal e que tudo havia sido apenas um susto. Questionei o choro, a cor dele, e o médico disse: ‘Só um susto, mas para lhe tranquilizar vou pedir um raio x’. Fizemos o raio-x, que já foi mostrado a um segundo médico, onde o mesmo disse que Artur não tinha nada, e que eu fosse para casa. Eu questionei: ele não vai ficar em observação?, Ele respondeu: Ele não precisa. Ele está ótimo”, relatou Milene.

Após a recomendação médica, Milene informou que retornou para casa junto com o filho, e que horas depois, durante amamentação percebeu um hematoma na cabeça do filho. “Na mesma hora chamei uma vizinha enfermeira do Tarcísio Maia, ela veio e disse, amiga vamos imediatamente para o hospital, seu bebê precisa de uma tomografia com urgência”, disse.

No HRTM, foi feito um exame as presas que diagnosticou um traumatismo grave em Artur. “Imediatamente iniciamos uma corrida contra o tempo, pois Arthur corria risco de vida. O cirurgião me perguntou tudo desde o início, e ele disse: ‘como esses dois profissionais deram alta a um bebê. Seu filho mamãe ia morrer na sua casa’.”, disse Milene.

Estado de saúde

Segundo o boletim desta terça-feira (10), o estado de saúde de Artur é estável, mas o coágulo ainda existe, junto com a fratura. Uma nova tomografia realizada ontem à noite (9), mostra que o coágulo reduziu 34 milímetros. Não foi possível saber ainda se Artur ficará com alguma sequela.

Caio Vale - Mossoró Notícias

Homem é confundido com irmão gêmeo suspeito de estupro e morto a tiros na Grande Natal, diz polícia


Homem foi confundido com irmão gêmeo suspeito de estupro 
e morto a tiros em Arês — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

09 de DEZEMBRO 2019 - Um homem foi executado a tiros na tarde desta segunda-feira (9) na cidade de Arês, na Grande Natal. De acordo com a Polícia Militar, a suspeita é de que a vítima, Eudes Antônio do Nascimento, tenha sido confundido com o seu irmão gêmeo, que é suspeito de um estupro contra uma criança.

Eudes do Nascimento tinha 49 anos de idade. Ele estava no centro da cidade, quando quatro homens se aproximaram em um Fiat Uno vermelho para matá-lo. Dois deles desceram do veículo e atiraram várias vezes. Ainda segundo a polícia, pelo menos 21 tiros atingiram Eudes, que morreu no local. Foram encontradas, pela rua, cápsulas de pistolas 380 e também 9 milímetros.

A polícia informou que, de acordo com relatos de pessoas que moram na região, o irmão de Eudes do Nascimento é suspeito de um estupro contra um menino de 6 anos. O crime teria acontecido na Praia da Pipa, em Tibau do Sul, no litoral Sul potiguar. A suspeita é de que o irmão gêmeo tenha sido confundido.
Eudes Antônio do Nascimento tinha 49 anos de idade e foi executado a tiros — Foto: Redes Sociais

AREZ  RIO GRANDE DO NORTE

Por Sérgio Henrique Santos, Inter TV Cabugi

Violência doméstica: RN começa a usar 'botão do pânico' que alerta vítima e polícia sobre aproximação de agressor


Modelo de botão do pânico usado no Paraná — Foto: Roberto Pratti/ TV Gazeta

09 de DEZEMBRO 2019 - A Secretaria da Administração Penitenciária (Seap) começou a operar o botão do pânico em conjunto com a tornozeleira eletrônica nos casos de medida protetiva envolvendo violência doméstica. O equipamento, do tamanho de um telefone celular, é autônomo e alerta vítima e autoridades sobre a aproximação do agressor.

Para otimizar o uso da nova tecnologia, a Justiça, o Ministério Público e a secretaria criaram uma Portaria para regulamentar o monitoramento eletrônico como "medida cautelar diversa da prisão" ou medida protetiva de urgência. A portaria orienta juízes, promotores, policiais penais e forças de segurança sobre a utilização dos equipamentos.

O secretário da Administração Penitenciária, Pedro Florêncio Filho, afirmou que a pasta dobrou o número de servidores envolvidos no monitoramento, criou o regime de 24 horas nos 7 dias da semana e transferiu as operações da Central de Monitoramento Eletrônico para dentro das instalações do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp). As mudanças, de acordo com ele, criaram as condições para avançar no uso do botão do pânico.

“Temos 26 botões do pânico para atender a demanda da cidades de Natal, Parnamirim e Mossoró, mas já iniciamos licitação para aquisição de mais 200 equipamentos, além de 3 mil tornozeleiras. Essa tecnologia é um mecanismo bastante eficiente para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher”, disse. A Seap conta atualmente com 1.650 tornozeleiras.

O diretor da Central de Monitoramento Eletrônico, policial penal Michael de Oliveira, demonstrou o uso do equipamento em solenidade de assinatura da Portaria na sede do Tribunal de Justiça.

“O juiz determina o uso do equipamento informando uma distância mínima em metros que deve ser mantida entre monitorado e vítima. Nós instalamos a tornozeleira no agressor e orientamos a vítima sobre a utilização do botão do pânico. Caso os dois equipamentos se aproximem da área de violação, vítima, acusado e a Central são alertadas. Caso permaneça a aproximação, a polícia é acionada para dar a pronta resposta”, esclareceu.

A vítima também pode acionar a Central de Monitoramento apertando um botão no equipamento. O Judiciário pode, inclusive, definir locais onde o monitorado não poderá ir, como residência, local de trabalho ou outro frequentado pela vítima. Caso a tornozeleira invada esse espaço, estabelecido em metros, o alarme é imediatamente acionado. Toda violação é comunicada pela Seap à Justiça para as medidas cabíveis.

O presidente do TJ, desembargador João Batista Rodrigues Rebouças, ressaltou que o botão do pânico é um mecanismo que dará “efetividade a medida protetiva”. “É um avanço porque dificulta muito uma nova violência”, disse. O juiz Deyvis de Oliveira Marques enfatizou que o equipamento trás “múltiplas vantagens e cumpre a finalidade de proteger a vítima de violência”.

Por G1 RN

Criança fica presa dentro de panela de pressão e é resgatada por bombeiros no Grande Recife

Criança entrou em panela de pressão e ficou presa em 
Goiana — Foto: Reprodução/WhatsApp

07 de DEZEMBRO 2019 - Uma criança de 1 ano e 9 meses de idade ficou presa dentro de uma panela de pressão e foi resgatada pelo Corpo de Bombeiros. O caso aconteceu em Goiana, na Região Metropolitana do Recife, na noite da sexta-feira (6) e foi divulgado pela corporação na manhã deste sábado (7).

A menina estava brincando com a panela quando entrou nela, ficou presa pela cintura e não conseguiu mais sair, segundo o Corpo de Bombeiros, que foi acionado pela mãe da criança. O resgate teve início às 18h19, na Rua Nova Goiana, e durou aproximadamente uma hora.

Bombeiros resgataram criança que ficou presa em panela 
de pressão — Foto: Reprodução/WhatsApp

Após tentarem retirar a criança de dentro da panela normalmente, mas sem êxito, os bombeiros utilizaram ferramentas de corte para resgatar a menina, que não ficou ferida na ocorrência.

“Apesar do susto, mãe e filha passam bem. A genitora prometeu que brincaria de outra coisa”, informou o Corpo de Bombeiros por meio de nota.

Panela de pressão em que criança ficou presa foi cortada 
por bombeiros durante o resgate — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Por G1 PE

Escola de Parnamirim recebe prêmio de melhor biblioteca escolar do Brasil


A PREMIAÇÃO ACONTECEU NA NOITE DESSA QUARTA-FEIRA, 4, EM SÃO PAULO

06 de DEZEMBRO 2019 - A Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes, de Nova Parnamirim, conquistou o prêmio IPL (Instituto Pró-Livro) – Retratos da Leitura – de melhor biblioteca escolar do Brasil. A premiação aconteceu na noite dessa quarta-feira, 4, em São Paulo. A biblioteca parnamirinense concorreu na categoria que teve o maior número de representantes, foram mais de 100 instituições, entre bibliotecas públicas, comunitárias e escolares, de todo o país.

O projeto “Protagonismo Literário Dentro e Fora da Escola”, desenvolvido pela Biblioteca que leva o nome do poeta Vinícius de Moraes, da Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes, recebeu a premiação das mãos do escritor patrono Pedro Bandeira.

O prêmio tem como objetivo reconhecer, valorizar e difundir projetos exitosos de fomento à leitura, promovidos por organizações da sociedade civil (OSCs), mídias, empresas da cadeia produtiva do livro e bibliotecas. Com edição anual, o prêmio tem abrangência nacional e na fase final, Parnamirim concorreu com projetos dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Ceará, Mato Grosso, Acre e Goiás.


O PROJETO “PROTAGONISMO LITERÁRIO DENTRO
E FORA DA ESCOLA”, DESENVOLVIDO PELA
BIBLIOTECA QUE LEVA O NOME DO POETA
VINÍCIUS DE MORAES


De acordo com Maria José Pinheiro, professora e mediadora de leitura, a biblioteca da Escola Brigadeiro Eduardo Gomes é cuidada com muito zelo, para que se torne um ambiente agradável para as crianças. Na premiação ela fez questão de lembrar o local. “É um espaço apropriado para a leitura. Nos deixa felizes, ver nossos alunos atraídos por aquele lugar, abrirem os braços e dizer que gostariam de morar lá. Nossa biblioteca tem vida e arte, pulsa literatura”, falou. 

Ainda sobre o Prêmio IPL, Maria José comentou que na premiação não existe 1º, 2º e 3º lugares. São escolhidos três projetos e definidos como os melhores e a biblioteca da Escola Brigadeiro Eduardo Gomes ficou entre os vencedores. Com alegria e gratidão, a mediadora e coordenadora de leitura falou sobre a conquista, e parabenizou Parnamirim, que está entre as cidades que contribuem para a formação de leitores.

“Concorremos com bibliotecas renomadas e poderosas e ficamos entre as melhores. Apesar da nossa biblioteca ter o trabalho reconhecido, nossa cidade desenvolve um projeto fantástico em todas as bibliotecas escolares do município. Quando a gente percebe uma escola pública, sendo premiada num evento como este, enxergamos que realmente estamos no caminho certo. É uma honra fazer parte dessa história. Viva nossa escola! Viva o projeto Rio de Leitura! Viva Parnamirim!”, disse Maria José.


O PROJETO “PARNAMIRIM, UM RIO QUE FLUI PARA
O MAR DA LEITURA” TEM INCENTIVADO A LEITURA
E O DESENVOLVIMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO


Realizado pela Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC), o projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura“, no qual a biblioteca da Escola Brigadeiro Gomes está inserida, demonstra o quanto a cidade Trampolim da Vitória tem incentivado a leitura e o desenvolvimento das bibliotecas escolares no município.

Em outras oportunidades, Parnamirim também alcançou prêmios nacionais com o projeto Rio de Leitura. No ano de 2012, ficou entre as dez melhores experiências no tocante à promoção da leitura, no 7º Prêmio VivaLeitura pelo MEC/MinC. Já em 2014, garantiu o título ‘Município Leitor’, do Instituto Natura. Mais uma conquista veio em 2017, quando a cidade ficou entre os melhores do país, de acordo com o Instituto Nacional Pró-Livro (IPL).

Mais duas conquistas foram alcançadas no ano de 2018, o Rio de Leitura foi reconhecido como o segundo melhor programa de incentivo à leitura junto a crianças e jovens de todo o Brasil, título dado pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Já na premiação do Retratos da Leitura, do Instituto Pro-Livro, Parnamirim alcançou a primeira colocação como o melhor projeto na categoria redes de bibliotecas.


Fonte: Blog do FM

A fantástica recuperação da recém-nascida enterrada viva em uma vala


A bebê foi levada ao hospital em estado crítico em 
outubro, mas agora está saudável — Foto: Dr. Ravi Khanna/BBC

06 de DEZEMBRO 2019 - Uma recém-nascida, que havia sido enterrada viva em uma panela de barro no norte da Índia, se recuperou totalmente, segundo o médico que a atendeu.

Em meados de outubro, a garota foi levada ao hospital em estado crítico, sofrendo de uma infecção grave. Além disso, ela tinha uma quantidade baixa de plaquetas no sangue.

"A criança ganhou peso e melhorou a respiração – a contagem de plaquetas também está normal", disse o pediatra Ravi Khanna à BBC.

Seus pais não foram localizados e ela será adotada após um período de espera obrigatório.

Por enquanto, a garota está sob custódia das autoridades de bem-estar infantil no distrito de Bareilly, no Estado indiano de Uttar Pradesh.

Ela foi encontrada por acaso por um morador que estava enterrando sua própria filha, que tinha nascido morta. Os hindus geralmente cremam seus mortos, mas bebês e crianças pequenas são frequentemente enterrados.

O morador disse que havia cavado cerca de 90 centímetros abaixo da superfície quando sua pá bateu em um pote de barro, que se quebrou. Foi então que ele ouviu um choro de bebê. Quando ele puxou a panela, encontrou a criança ainda viva.

Inicialmente, ela foi levada ao pronto-socorro do governo local, mas, dois dias depois, foi transferida para o hospital pediátrico de Ravi Khanna, que possui melhores instalações.

Os médicos disseram que ela era um bebê prematuro, possivelmente nascido com 30 semanas de gestação. A garota pesava apenas 1,1 quilo. Encolhida, ela estava em estado de hipotermia e apresentava hipoglicemia (baixo nível de açúcar no sangue).

"Quando a entregamos às autoridades do hospital distrital, ela pesava 2,57 quilos. Ela está aceitando mamadeira e agora está totalmente saudável", disse Khanna, nesta semana.

Não se sabe quanto tempo o bebê ficou enterrado. Os médicos dizem que não sabem exatamente como ela conseguiu sobreviveu.

Khanna disse que o bebê pode ter sido enterrado "de três a quatro dias antes de ser encontrada, sobrevivendo com sua gordura marrom". Os bebês nascem com gordura no abdômen, na coxa e na bochecha e podem sobreviver em caso de emergência por algum tempo.

Mas outros especialistas dão uma estimativa mais conservadora: dizem que ela só se manteve viva porque ficou embaixo da terra por "duas a três horas". Segundo eles, a garota poderia ter sobrevivido por "mais uma ou duas horas" se não tivesse sido resgatada.


O pediatra Ravi Khanna diz que a garota já aceita 
mamadeira e agora está totalmente saudável — Foto: Dr. Ravi Khanna/BBC

Uma bolsa de ar dentro da panela deve ter fornecido oxigênio para ela. Ou o ar poderia ter entrado no solo através de uma rachadura, segundo especialistas.

Em outubro, a polícia iniciou um processo criminal para procurar os pais da recém-nascida ou alguma outra pessoa que possa ter enterrado o bebê.

A polícia afirmou acreditar que os pais da criança eram cúmplices do crime, porque, mesmo depois do caso ser amplamente divulgado na Índia, ninguém se apresentou para reencontrar o bebê.

As autoridades não especularam sobre possíveis motivos para o crime, mas a discriminação de gênero da Índia é uma das piores do mundo. As mulheres são frequentemente discriminadas socialmente e as meninas são vistas como um fardo financeiro, especialmente nas comunidades mais pobres.

Por BBC

Peritos encontraram pelo menos 19 marcas de tiros no carro onde morreu o comediante 'Bunitinho'


Bunitinho era conhecido entre os torcedores do Flamengo 

e famoso por protagonizar memes — Foto: Reprodução/ Redes sociais

05 de DEZEMBRO 2019 - Peritos da Polícia Civil encontraram pelo menos 19 marcas de tiros no carro onde o comediante Diego de Farias Pinto, conhecido como 'Bunitinho', foi encontrado morto, nesta quinta-feira (5), no Morro do Dendê, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio.

Os policiais não constataram disparos feitos de dentro do carro e não encontraram armas no veículo.

Considerado um fenômeno nas redes sociais, o comediante foi morto durante um tiroteio entre traficantes e agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), que foram checar uma denúncia na comunidade.

Além do humorista, outras três pessoas também morreram no mesmo local: Josselino de Oliveira Junior e Jorge Tadeu Sampaio, que eram empresários de Bonitinho, e Sidney Antunes Figueiredo, que era fiscal motociclista do BRT. Um PM também ficou ferido.

Nenhum dos mortos tinha passagem pela polícia.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da capital, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade. As armas dos PMs que participaram da operação foram apreendidas para realização de confronto balístico.

PM relata ataque

Segundo a Polícia Militar, os agentes foram até a comunidade para checar uma informação do setor de inteligência da corporação sobre uma reunião de lideranças do crime.

Ainda segundo a PM, houve um forte ataque por parte dos criminosos na chegada à comunidade, gerando confronto.

Show no Dendê

'Bunitinho' começou a fazer muito sucesso nas redes sociais com imitações e memes. Com o tempo, o comediante passou a fazer shows e a participar de eventos.

Moradores do Morro do Dendê contam que, na última madrugada, 'Bunitinho' se apresentou na festa de aniversário do chefe do tráfico da comunidade: Marcos Vinicius dos Santos, conhecido como Chapola.

Nesta quinta-feira (6), parentes e amigos de 'Bunitinho' estiveram no Instituto Médico Legal, mas ninguém quis dar entrevista.

Amigos e artistas prestaram homenagens ao comediante nas redes sociais, entre eles o cantor Nego do Borel e a atriz Mel Maia.

RIO DE JANEIRO

Por Bette Lucchese, RJ2

Professora adapta aulas de dança para aluno cego, em Campina Grande; 'A dança é para todos', diz

 
Para que Rogério Nunes pudesse entrar na dança, professora 
diz que metodologia da escola teve que ser adaptada, em Campina 
Grande — Foto: Reprodução/Tv Cabo Branco

03 de DEZEMBRO 2019 - Uma professora de uma escola de dança em Campina Grande precisou adaptar a metodologia de ensino após receber um aluno disposto a entrar no ritmo. Isso porque Rogério Nunes, deficiente visual, entrou para a turma há três anos e, desde então, o aluno cego é exemplo de perseverança para os outros colegas de dança. Nesta terça-feira (3), é celebrado o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

"Todo mundo pode dançar, a gente costuma dizer isso e as pessoas não acreditam, mas a dança é para todos”, diz a professora de dança Dany Inô.

Rogério Nunes é bancário em Campina Grande, mas, após ter uma conversa com um amigo que participava da escola de dança na cidade, ele decidiu encarar o novo desafio e acabou se apaixonando pela dança.

“A dança chegou casualmente na minha vida. Conversando com um amigo, ele falou que fazia aula de dança e perguntou se eu tinha interesse, e eu disse que sim, aí eu vim fazer uma aula experimental, gostei do entrosamento que tive com a turma, do entendimento com os professores, da didática, e estou aqui há três anos”, conta Rogério. 


Para que Rogério pudesse entrar na dança, a metodologia da escola teve que ser adaptada. Segundo a professora Dany Inô, ela foi aprendendo a ensinar com o próprio aluno. "Eu fui aprendendo aos poucos com ele, ele me ajudou muito a desenvolver uma metodologia pra que eu pudesse explicar a movimentação pra ele", destaca a professora. 


A parceira de Rogério na dança, Bruna Dantas, diz que, desde que começou a dançar com o colega, começou a prestar mais atenção nos passos durante as aulas de dança. "Dançar com o Rogério me fez ter mais autonomia, me fez prestar mais atenção nos passos, na coreografia, nos detalhes, na contagem”, relata a estudante.

Para o fisioterapeuta Lucas Antônio, que acompanha as aulas de dança de Rogério, o aluno de dança é muito dedicado. “Por mais que os passos às vezes sejam difíceis, ainda mais pra ele, ele tá sempre lá tentando, repetindo, sempre na perseverança e conduzindo também”, salienta. 


"Primeiro a gente tem que querer fazer as coisas e, segundo, tem que ter oportunidade. Precisamos das duas coisas!”, afirma Rogério Nunes.



Rogério Nunes é bancário e há três anos entrou 
para escola de dança em Campina Grande — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco 

Por Felipe Valentim, TV Paraíba

Detran implanta validação facial no processo de habilitação de condutores

Foto: Divulgação 
Foto: Divulgação
 
03 de DEZEMBRO 2019 - O Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) iniciou o processo de validação facial nos serviços referentes a habilitações, renovação de CNH, alterações de categoria, inclusão de atividade remunerada e outros que exigem o sistema de biometria. A medida traz mais segurança no procedimento de captura de dados, possibilitando o combate a possíveis fraudes.

O novo sistema de Validação Pessoal reforça o processo de biometria que também conta com a captura das impressões digitais, fotografia do condutor e assinatura digital. No caso, o procedimento consiste em submeter o usuário a uma análise computadorizada da sua imagem, que é comparada com as informações fotográficas que constam no sistema de dados do Órgão gerador, apontando a aproximação da veracidade da imagem avaliada.

De acordo com gerente do Registro Nacional de Condutores do Detran, Rafael Soares, para que o sistema de validação facial aprove a imagem do cidadão analisado é preciso que o percentual de similaridade alcance 93%, abaixo disso haverá reprovação, sendo o processo avaliado manualmente e com exigências de comprovações de acordo com cada caso. “Até o momento detectamos quatro casos de similaridade abaixo do permitido pelo sistema, sendo um deles posteriormente aprovado, e os demais em avaliação”, informou.

O Detran ainda reforça que todo o procedimento para realização dos serviços de habilitação de condutores realizado antes da incorporação da validação facial continua valendo e sendo seguido dentro dos mesmos critérios e exigências, apenas incorporada mais uma etapa, que amplia a segurança e dificulta a possibilidade de uma pessoa tentar se passar por outra.

A medida segue as ações empreendidas pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) que publicou a Portaria nº 1515/2018, dispondo sobre o procedimento de coleta e armazenamento da identificação de candidatos e condutores em processo de habilitação, mudança ou adição de categoria e renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), sendo constituído um banco nacional de imagens incorporado ao Registro Nacional de Condutores Habilitados (RENACH). 


Delegada que recebia R$ 96 mil com acúmulo de cargos é demitida da polícia do Ceará

 
Delegada acumulava funções e recebia remunuração de 
mais de R$ 90, aponta denúncia — Foto: Cid Barbosa/SVM

03 de DEZEMBRO 2019 - A delegada Márcia Janine Espíndola foi demitida da Polícia Civil do Estado por acúmulo de cargos públicos no Ceará e em Pernambuco. A decisão do governador Camilo Santana foi publicada no Diário Oficial do Estado de sexta-feira (29). Durante o período em que exerceu mais de uma função, Márcia Janine chegou a receber cerca de R$ 96 mil. A defesa da policial alega que a servidora enviou pedido de suspensão da função a um dos órgãos onde atuava e promete recorrer da decisão.

Conforme a publicação da demissão, a investigação da Controladora Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) descobriu que a policial exerceu as funções de técnico ministerial do Ministério Público do Estado de Pernambuco entre agosto de 2006 e junho de 2013; e de delegada no Ceará, entre janeiro de 2012 e a data da demissão. O acúmulo de cargos ocorreu por um ano e cinco meses.

"No termo de reinquirição da processada [na CGD], esta admitiu que enriquecera ilicitamente com a acumulação dos cargos no Ministério Público de Pernambuco e na Polícia Civil do Ceará, confirmando a percepção de duplo ganho, sem a solicitação de ressarcimento dos vencimentos percebidos em razão do cargo de Técnico Ministerial, mesmo sem ter trabalhado neste último", afirmou a publicação.

A investigação ainda encontrou incoerências no discurso da delegada. Segundo a decisão, a acusada mencionou que sempre quis exercer o cargo de delegada. Porém, ela já havia afirmado que desejava seguir na carreira ministerial, ao ser interrogada pela Procuradoria Geral de Justiça de Pernambuco sobre o acúmulo de funções nos dois estados.

"A atuação de um servidor público integrante da Polícia Civil do Estado do Ceará deve ser sempre pautada na legalidade, não devendo ele se afastar dos deveres de sua Instituição. Por conseguinte, foi isso que se constatou em relação à conduta da DPC [delegada da Polícia Civil] Márcia, a qual não observou a missão que lhe fora confiada, prejudicando a sociedade, além da imagem da instituição/Polícia Civil e sobretudo lesando os erários estaduais", conclui a decisão.

Márcia Janine foi condenada pela Justiça Estadual de Pernambuco por peculato (crime cometido por um servidor contra a administração pública) e acúmulo de cargos públicos. Em junho deste ano, a Vara dos Crimes Contra a Administração Pública e a Ordem Tributária de Pernambuco sentenciou a servidora a sete anos de prisão, perda das duas funções e pagamento de mais de R$ 96 mil.

Pedido de suspensão

A delegada alegou, durante a investigação, que, ao ser convocada pela Polícia Civil, enviou um pedido de suspensão de vínculo ao Ministério Público de Pernambuco pelos Correios e que soube somente depois que a solicitação não havia sido processada. Sobre os ganhos dobrados, ela justificou afirmando que "é uma pessoa desorganizada financeiramente".

Os assessores jurídicos da Associação dos Delegados de Polícia Civil do Ceará (Adepol), advogados Leandro Vasques e Seledon Dantas, responsáveis pela defesa da investigada, rebateram a decisão.

“Ainda que se considerasse indevido o acúmulo dos cargos, isso não poderia configurar ato ilícito, pois a delegada jamais teve a intenção de obter qualquer vantagem com a situação. A delegada Márcia Janine optou, desde sempre, por assumir seu cargo no Ceará, tendo exercido suas funções normalmente desde o momento de sua posse, sem qualquer interrupção ilegal das suas atividades”, afirmam, em nota.

Os defensores garantiram que irão ingressar com um recurso administrativo direcionado ao próprio governador e com ação judicial para anular a sanção.

“Acreditamos que, na análise do recurso, bem como do enfrentamento judicial da questão, a conclusão será de que Dra. Márcia Janine jamais cometeu qualquer ilícito administrativo ou criminal. Pelo contrário, sempre exerceu com zelo e dedicação o cargo de delegada no Ceará, contribuindo com a segurança pública por todas as unidades pelas quais passou”, completa.

Questionada, a Polícia Civil do Ceará informou que a ex-servidora Márcia Janine Espíndola foi retirada da folha de pagamento da instituição, depois da publicação, no Diário Oficial do Estado (DOE), de sua demissão. Disse ainda que a ex-servidora foi notificada para entregar a carteira funcional e demais acessórios da Polícia Civil. Por fim, esclareceu que Márcia Janine estava afastada por licença para tratamento de saúde desde o mês de agosto deste ano. 


Por G1 CE 

Mulher passa mal e morre após receber notícia de que casa estaria sendo assaltada na Grande Natal



Ana Cleide Silva, de 43 anos, passou mal após receber 
ligação com notícia de que a casa dela teria sido invadida. 
Ela foi levada ao hospital e morreu no local — Foto: Arquivo pessoal

03 de DEZEMBRO 2019 - Uma mulher morreu na noite desta segunda-feira (2) em Ceará-Mirim, na Grande Natal, depois de passar mal por receber a notícia de que a casa dela teria sido invadida por um criminoso. Ana Cleide Silva, de 43 anos, foi socorrida e levada ao hospital da cidade, mas não resistiu e morreu.

Um vizinho ligou para Ana Cleide e avisou que um homem teria sido visto pulando o muro da casa dela. Ela foi para o local passando mal. A Polícia Militar foi até a casa da mulher, não encontrou ninguém e confirmou que nada foi levado. Médicos do Hospital Dr. Percílio Alves, que fica na cidade, disseram que a mulher tinha problemas no coração. 


Por Inter TV Cabugi 

Exposição mostra objetos domésticos utilizados para agredir mulheres, na Paraíba


Exposição mostra objetos domésticos utilizados para 
agredir mulheres, na Paraíba — Foto: Thayse Vilar/Tribunal de Justiça da Paraíba

26 de NOVEMBRO 2019 - Facas, tesouras e espetos utilizados para ameaçar, ferir ou matar mulheres são peças de uma exposição que reflete o cenário de violência doméstica contra as mulheres na Paraíba. “Armas Brancas do Medo – Desnaturalizar é preciso” é o título da mostra aberta na tarde desta segunda-feira (25), no Fórum Criminal de João Pessoa.

De acordo com a servidora da Vara da Violência Doméstica contra a Mulher da Capital, Thayse Vilar, a ideia de montar a exposição surgiu a partir de uma pesquisa que avaliou mortes violentas de mulheres no mundo e concluiu que o local mais perigoso para elas era a própria casa.

Entre as armas expostas, estão uma palmatória, cassetete, pedaços de madeira, pedras, machado, marreta, picareta, foice, corrente, algema, canivete e enxada. 

 
Entre os objetos domésticos usados para agredir mulheres 
estão uma palmatória, cassetete, pedaços de 
madeira, pedras, machado, marreta, picareta, foice, 
corrente, algema, canivete e enxada; exposição mostra 
material em João Pessoa — Foto: Thayse Vilar/Tribunal de Justiça da Paraíba 

Os visitantes da mostra podem ouvir histórias sobre os casos e tocar nas peças, além de sentir o peso e a textura dos objetos. Também têm acesso a depoimentos de vítimas, expostos em um painel, com conteúdo de violência sexual, psicológica, física e patrimonial.

“São objetos que parecem simples. Choca a ideia de serem coisas de uso diário, que todo mundo tem em casa: a corrente da rede, a mangueira do bujão com o registro, as faquinhas de serra de mesa, a faca peixeira. Todo mundo tem estranhado, as pessoas se arrepiam. Elas sabem que existe esta violência, mas ver os objetos em conjunto, como armas de crimes, têm causado impacto”, avaliou Thayse.

A exposição fica aberta para visitação até a próxima sexta-feira (29). A ideia é que ela se torne itinerante, para que chegue em outras comarcas e até as escolas e universidades paraiba.



Exposição mostra objetos domésticos utilizados para 
agredir mulheres, na Paraíba — Foto: Thayse Vilar/Tribunal
de Justiça da Paraíba

Por G1 PB 

Publicidade

Publicidade
Ligue - 84991663869